terça-feira, junho 25, 2024
Mais NotíciasOpinião

A Tragédia dos Bens Comuns e a pandemia de coronavírus

Texto de Paulo Nadanovsky*

Caro companheiro humano, o melhor dos mundos agora, do ponto de vista de cada pessoa individualmente, é que todo mundo fique em casa e só você continue desfrutando de espaços públicos, como de costume. Nesse caso, você estará protegido contra o contágio do vírus e, ao mesmo tempo, não pagará os custos de ficar confinado em casa. O problema é que, se todo mundo pensar assim, o contágio do vírus se espalhará muito rapidamente e pode ser um desastre para muitas pessoas, talvez até mesmo para você, alguém de sua família ou grupo de amigos.

Bens comuns são recursos que as pessoas têm direitos e/ou habilidades coletivas de usar e cujo valor é esgotado pelo uso de cada indivíduo (consulte “The Challenge of Common-Pool Resources” por Ostrom). Diretamente, bens comuns na presente pandemia são os espaços públicos (ruas, praças, praias). Indiretamente, os bens comuns são os serviços de saúde (leitos e equipamentos hospitalares, tempo e experiência de enfermeiros e médicos, medicamentos). O valor dos espaços públicos e dos serviços de saúde é esgotado se as pessoas continuarem saindo e encontrando fisicamente outras pessoas. Isso ocorre porque esse comportamento (sair e encontrar fisicamente outras pessoas) aumenta a propagação do novo coronavírus.

O problema (ou o paradoxo) é o seguinte (consulte “Sick Individuals and Sick Populations” por Geoffrey Rose): o risco do coronavírus para cada pessoa individualmente é pequeno, mas um pequeno risco espalhado por toda a população pode dar origem a tantos casos que nossos serviços de saúde (o bem comum indireto) podem não ser capazes de lidar. Idealmente, nesta pandemia, deveríamos adotar uma “estratégia de alto risco” (como em Geoffrey Rose). Nesta estratégia, toda a população (especialmente as pessoas que apresentaram nenhum ou apenas sintomas leves) é testada e apenas aquelas pessoas que carregam o vírus são fisicamente isoladas. No entanto, não há testes suficientes para todas as populações. Portanto, na maioria dos países, devemos adotar a “estratégia populacional” (como em Geoffrey Rose).

Nesta estratégia, todos são fisicamente isolados, independentemente do conhecimento de você ser ou não portador do vírus. A mensagem é otimista (do ponto de vista de cada pessoa individualmente): 1- A probabilidade de você estar infectado por este vírus ainda não é conhecida, mas pode ser relativamente alta. Provavelmente isso ocorrerá mais cedo ou mais tarde neste ou nos próximos anos; 2- A probabilidade de você perceber que foi infectado é provavelmente baixa. Neste caso, será como se você não tivesse sido infectado; 3- A probabilidade de você sentir sintomas graves devido a este coronavírus é provavelmente baixa; 4- A probabilidade de você precisar de cuidados hospitalares devido a este coronavírus é provavelmente baixa; 5- A probabilidade de você morrer devido a este coronavírus é provavelmente baixa.

Do ponto de vista da necessária “estratégia populacional”, a mensagem é mais incerta, mas provavelmente teremos sucesso: 1- Como muitas pessoas intuem (provavelmente corretamente) que o risco para si mesmas é baixo, elas não se sentem inclinadas a mudar seu comportamento (especialmente as pessoas saudáveis e sem sintomas deste vírus); 2- As autoridades, em vez de tentar assustar as pessoas insistindo que precisam se proteger para reduzir seus próprios riscos (o que é verdade, mas a redução no risco é tão pequena que a mensagem é potencialmente ineficaz e “quase não é verdadeira”), deve apelar às suas inclinações altruístas, deixando claro que não reduzirão significativamente seu risco individual, mas preservarão os recursos dos serviços de saúde necessários para tratar a minoria da população que precisa desesperadamente de atenção médica (por qualquer motivo, não apenas devido ao novo coronavírus); 3- Existem precedentes conhecidos para comportamentos altruístas relacionados à saúde. Por exemplo, existem sistemas de doação de sangue que são bem-sucedidos e baseados apenas no altruísmo – as pessoas doam para pessoas desconhecidas e não relacionadas, obtendo nenhuma recompensa material apenas o prazer psicológico de fazer o bem (inserir uma agulha e tirar sangue é mais desconfortável e arriscado do que não fazê-lo, embora o risco seja muito pequeno); 4- No entanto, a maioria das pessoas não doa sangue e o problema de uma pandemia é que a adesão de uma minoria não é suficiente. Talvez, egoisticamente, o apelo com maior probabilidade de ser efetivo se apoie no fato de que as pessoas não querem que seus serviços de saúde sejam sobrecarregados, pois você nunca sabe quando pode precisar de cuidados médicos e é melhor haver médicos disponíveis, leitos hospitalares, etc.; 5- E, finalmente, existe a alternativa extrema das autoridades forçarem as pessoas a ficarem em casa com a ajuda de sanções e da polícia (isso parece ter funcionado em Wuhan).

Em suma: temos à disposição algumas maneiras de tentar proteger nosso principal bem comum sendo ameaçado por essa pandemia no momento, ou seja, nossos serviços de saúde. Espero que optemos pelas formas menos traumáticas de fazê-lo e lentamente retornemos, coletivamente, aos nossos espaços públicos e contato físico com nossos semelhantes, sem esgotar nossos serviços de saúde. Ao mesmo tempo, devemos evitar que o isolamento físico se estenda por muito tempo, mantendo-o estritamente ao necessário, de forma que acabemos esgotando outros valiosos bens comuns que resultam da paralisia nas atividades econômicas e sociais. É claramente um equilíbrio difícil de encontrar neste momento e deve ser avaliado e ajustado diariamente. O retorno incremental à vida normal daqueles que já estão imunizados, ou seja, aqueles que foram infectados, curados e agora carregam os anticorpos desse vírus, mas não o vírus, pode ser o primeiro passo.

Agradeço ao Martin Daly por seus comentários e sugestões em uma primeira versão deste texto.

*Paulo Nadanovsky é Epidemiologista da Fiocruz, pesquisador e professor do Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ). @Nadanovsky (Twiter); paulo.nadanovsky@gmail.com (E-mail)