Dilemas da territorialidade da APS no cuidado aos refugiados no Rio de Janeiro

Este artigo, escrito por Ana Carolina Maia (doutoranda do IMS/UERJ) e Rogerio Lopes Azize (IMS/UERJ), e publicado na revista Ciência & Saúde Coletiva, apresenta resultados de uma pesquisa sobre a resposta institucional do setor saúde à chegada significativa de refugiados e solicitantes de refúgio congoleses a um bairro da zona norte do município do Rio de Janeiro. Mais especificamente, o foco recai sobre o nível da Atenção Primária em Saúde (APS), já que a investigação se constrói a partir de uma unidade básica de saúde localizada na região, com os profissionais que atuam em equipes de saúde da família.

O texto apresenta resultados de uma pesquisa que partiu de um questionamento: existiria uma sensibilidade institucional, em curso ou em forma de projeto, para refugiados e migrantes no município do Rio de Janeiro, que respondesse ao surgimento de novos fluxos de deslocamentos forçados para o país?

Confira AQUI.